Uma das preocupações mais recorrentes no que diz respeito a segurança do bairro é a presença de moradores de rua no local. Esse é um assunto delicado, principalmente pela falta de consenso sobre o tema. Independentemente das opiniões, é fundamental saber como lidar com esse assunto, a fim de resolver a questão da melhor forma para todos, com tato e empatia.

Não sabe o que fazer nesta situação? Então continue a leitura do nosso post e veja algumas dicas de como o seu bairro pode auxiliar nesse quesito.

O que leva algumas pessoas à situação de moradores de rua?

Em primeiro lugar, é importante compreender o que leva algumas pessoas à situação de moradores de rua, já que é um tema complexo. Estão entre as principais razões para a necessidade de viver nas ruas, segundo a Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua:

  • problemas de saúde mental que fazem com que a pessoa opte pelo isolamento;
  • problemas de dependência química e alcoolismo;
  • perda de familiares que possam dar o apoio necessário;
  • situação prolongada de desemprego;
  • violência doméstica;
  • sensação de liberdade ao se desprender da família para morar nas ruas;
  • falta de emprego somada a situação de migração em busca de novas possibilidades de trabalho (por exemplo, quando a pessoa se muda para uma metrópole em busca de emprego, mas não obtém sucesso), entre outras.

Como as políticas públicas devem atuar nestas situações?

Diante das principais motivações que levam a ida para as ruas, o Estado, em conjunto com governos estaduais e municipais, deve atuar em prol da diminuição do problema. Além de encontrar formas de diminuir as possibilidades de exposição de pessoas em situações de vulnerabilidade social.

Há por exemplo, o Centro de Triagem e Encaminhamento ao Migrante (Cetremi), que auxilia o retorno de pessoas que são de outras regiões e não conseguiram emprego no local em que estão. Outras políticas públicas comuns são a criação de abrigos, centros de assistência social, centros de acolhimento e tratamento de dependentes químicos.

Como os moradores dos bairros podem auxiliar nessa situação?

É essencial que os moradores entendam que eles têm um papel importante nesse processo. E, acima de tudo, evitar a discriminação daqueles que estão em situação de vulnerabilidade social. Como comentamos, nem todos aqueles que se encontram nessas condições são perigosos, apenas necessitam de ajuda e assistência.

Veja algumas medidas que podem ser tomadas pelos moradores do seu bairro, com o objetivo de solucionar o problema e garantir a segurança para todos os envolvidos, incluindo os próprios moradores de rua. Afinal, muitos que estão ali talvez só precisem de alguém que confie neles e os estenda a mão.

Cobre os órgãos públicos

Os órgãos públicos são responsáveis, legalmente, pelo acolhimento e direcionamento da população que reside nas ruas. Toda cidade possui centros de assistência social e abrigos, que oferecem não apenas alimentos, teto e higienização, mas também auxiliam no encaminhamento delas para situações melhores. Pesquise quais são os órgãos responsáveis em seu município e ao encontrar um morador de rua em sua região, entre em contato e informe sobre a situação.

Procure o Ministério Público

Se mesmo após o aviso nenhuma medida for tomada, você pode e deve procurar o Ministério Público. Eles vão entrar em contato com o Governo Municipal e exigir que soluções sejam tomadas, a fim não só de acolher, mas também acionar medidas protetivas sobre a questão. 

Acione os programas de acolhimento de pessoas em situações vulneráveis

Há programas que não estão ligados à órgãos governamentais e que prestam o serviço de acolhimento e encaminhamento, de acordo com a situação a qual a pessoa esteja exposta. Entre eles há os centros de tratamento para dependentes químicos e as casas de passagem (que encaminham pessoas nesta situação para empregos). Pesquise quais existem em sua região e entre em contato. O importante é lidar sempre com a situação de moradores de rua com empatia para que tudo seja resolvido de maneira favorável a todas as partes envolvidas.

Quer mais dicas de como manter a segurança do seu bairro e trazer bem-estar para todos? Assine nossa newsletter e receba as informações diretamente em seu e-mail.